Leitura Corporal

Para a leitura corporal, teoria desenvolvida já a muitos anos por NEREIDA VILELA, toda e qualquer área do corpo tem função subjetiva e emocional. Não existe nada no corpo que seja apenas matéria sem vida e sem linguagem. E, se tem vida, se somos seres falantes, temos subjetividades, sensibilidades e somos sujeitos divididos, INSCRITOS NUM CORPO. 
Para esta mesma teoria, o corpo tem a sua inteligência e todo e qualquer sinal e sintoma, tem propósito. Tudo está conectado à história vivida do sujeito.
Até 7 anos de idade, quaquer sintoma da criança está intimamente ligado aos pais ou tutores, às experiências e referências vividas com eles. Afinal, nascemos com um corpo herdado e construímos nossas noções de mundo, nossa linguagem,atravessadas pelos adultos referências e pelas linhagens.


***

MAPA DA LEITURA CORPORAL

Tenho em meu consultório um mapa da leitura corporal, com as áreas corporais e suas funções subjetivas. Sempre confiro nele: pintas,manchas, verrugas, picadas, machucados, local de hematomas ou hemangiomas, dores, queimaduras, etc. Vou somando informações particularizadas sobre a pessoa. São dicas de uma boa filosofia de vida. 
Está à venda, para quem se interessar no NÚCLEO DE LEITURA CORPORAL ( ver para mais informações: www.leituracorporal.com.br)


***


LOCAIS DE TRAUMAS FÍSICOS

Hoje vivi um fato curioso. Uma criança de 11 meses, que já anda, apesar da pouca idade, caiu e bateu a testa, na área ligada à comparação, pela terceira vez.. Digo  à mãe, que esta área está ligada a este tema COMPARAÇÃO e ela me diz assim: "ESSA PALAVRA É CHAVE NA MINHA HISTÓRIA. TRABALHO ESTE TEMA HÁ ANOS EM MEU PROCESSO DE ANÁLISE. MAMÃE NÃO SOUBE LIDAR COM ESTE ASSUNTO ENTRE EU E MINHA IRMÃ. NÓS DUAS VIVEMOS MUITO ESTE CONFLITO".

ACHO INTERESSANTE OBSERVAR OS LOCAIS DE CORTES E MACHUCADOS, ALÉM DE DEMAIS SINAIS CORPÓREOS. O CORPO FAZ SUA MARCA, E SOFRE SEUS ACIDENTES PARA FAZER MARCAS QUE POSSAM SER COMUNICANTES. MARCAM UM LUGAR QUE PODE TER SINGULARIDADE E LEITURA. NÃO CUSTA NADA PROCURAR SABER. SABENDO, PODE HAVER MAIOR TRABALHO NA SUBJETIVIDADE DAQUELA FAMÍLIA  PODENDO ATÉ ANTECIPAR DESVIOS MAIORES. É UM SINAL DE ATENÇÃO. DICAS DO SÁBIO CORPO QUE EXPERIMENTA AS INCONSCIÊNCIAS DE TODOS OS ENVOLVIDOS EM SEU PROCESSO- PAI, MÃE, ANCESTRAIS. ENTENDO HOJE QUE ATÉ UM CORTE PODE ESTAR CRIANDO SAÍDAS ATRAVÉS DO CORPO PARA SITUAÇÕES VIVIDAS COM CONFLITO. CORTES, MACHUCADOS, ACIDENTES, TODOS  PODEM TAMBÉM ACELERAR PROCESSOS DE CURA, NUM NÍVEL MAIS PROFUNDO.
Podemos usar esse recurso DE LEITURA  para ampliar a produção de um saber sobre cada um e abrir espaço para maiores reflexões.


***

MARCAS NO CORPO, CORTES, CICATRIZES, MANCHAS

Hoje estive com uma criança de 5 anos cuja queixa da mãe era basicamente de que faltava  limites na criança, que ela era muito autoritária, não reconhecendo o outro como borda. A mãe confessa ser uma pessoa que não sabe pôr limites nem na sua própria história. Diz que cede muito e ao mesmo tempo, é muito impaciente. Notei, ao exame físico do garoto, um único sinal- uma cicatriz de um corte, que precisara de sutura, em seu seu joelho esquerdo, na área medial. 
Pela leitura então, fica claro, que esta questão faz sintoma. Esta é a área no corpo relacionada à ordenação de limites. Sendo do lado esquerdo, reforça a relação do sintoma com a energia materna. Segundo a leitura corporal, o lado esquerdo do corpo diz mais da energia yin da casa ( portanto, mais feminina) e o lado direito, com a energia yang( mais masculina).

***


NASCIMENTO DE PINTINHAS

Vi ontem o nascimento de 2 pintinhas (névus) numa criança. Sua mãe me contou que a primeira pintinha que nascera nele, foi quando operou do intestino ( má rotação, isto é, nascera com os intestinos rodados no sentido inverso ao da maioria e teve obstrução intestinal) aos 10 meses de idade. Foi uma pinta na lateral do pé esquerdo. Esta área tem a função, segundo a leitura corporal, de trabalhar nossa auto-suficiência, nossa independência. Como, até 7 anos de idade, trabalhamos na complexidade dos modelos pai-mãe, este tema pode estar na mãe ou no pai, mais provável na mãe, por estar do lado esquerdo.
Curiosamente, foi um momento, onde esta mãe, bastante capaz de auto-sufiências, precisou de muita ajuda. Viveu a sobrecarga deste esforço, pois não mora no Brasil e viveu todo este processo  longe do apoio familiar .
Agora, nasceram mais 2 pintinhas do lado esquerdo do corpo dele. Uma na medial de coxa ( área ligada à ENTREGA)  , e outra, na anterior de perna ( sequenciamento dos projetos de vida )- momento onde novamente a mãe se vê sobrecarregada, cuidando dele, ainda bem pequeno e de seu irmão bebê. Mais uma vez, este tema da entrega e de sequenciar seus próprios projetos também está em foco para ela.

É MUITO FORTE A TRANSMISSÃO DO VIVIDO PELA MÃE PARA O CORPO DA CRIANÇA. HÁ UMA MARCA QUE PODE SER MAIS ESTUDADA. HÁ UMA TEMÁTICA QUE FAZ SINAIS E SINTOMAS NO CORPO DO FILHO, ATRAVESSADO PELOS PAIS E SUAS EXPERIÊNCIAS PESSOAIS DE MAIOR MAGNITUDE. É preciso ver-  PRECISAMOS DE  LENTE DE AUMENTO, QUE AUMENTE O VALOR DOS SINAIS CORPÓREOS. Quem sabe nossa visão não fique mais clara????

***


VERRUGAS E MOLUSCOS

Nunca deveriam ser retirados. Geralmente, quando retirados, dão lugar a um sintoma mais profundo e que, antes estava apenas na superfície. Conheço alguns casos em que, após retirada de verrugas, apareceu  câncer. Um caso foi de uma mãe, que retirou um nevus verrucoso da nuca e 3 meses depois foi diagnosticada com um câncer de mama. Outro caso foi de um adolescente, que retirou 2 verrugas e pouco tempo depois, apareceu um linfoma. Outro adolescente retirou verrugas nas pontas dos dedos das mãos e pouco depois iniciou aplasia de medula, doença que foi fatal.
Os moluscos, assim como as verrugas, caem espontaneamente, em seu devido tempo. Moluscos, em geral, só aparecem em crianças. São umas bolinhas minúsculas, com um miolo no meio. Não são necessariamente contagiosos como se pensam, pois já vi algumas crianças com vários moluscos e seus irmãos, que conviviam juntos, não desenvolverem o sintoma.
Saber esperar também é muito importante na pediatria.
Pela leitura corporal- verrugas guardam potenciais que ainda não conseguiram passagem.Representam acúmulo de estímulos proibidos, retirados para o externo do corpo, para não prejudicarem a circulação interna do sopro de vida.
Moluscos denunciam tratamento ambíguo dos pais com as crianças com relação à     maturidade dos mesmos. Vale ainda rever o local onde se desenvolveram para ampliar a leitura.

***

DENTIÇÃO

SOBRE TROCA DE DENTES

Segundo leitura corporal, via Nereida Vilela:
A troca de dentes acontece, quando passamos a compreender conceitualmente, aquilo que vivíamos apenas como emoção. Se a troca demora é para não deixar acontecer um contorno muito estreito, que reduziria a expressão do ser. Se, por outro lado, a troca acontece muito precocemente, é porque estamos conceituando também com mais pressa.


SOBRE AS PINTINHAS QUE VÃO SURGINDO EM NOSSO CORPO

Segundo leitura corporal, Nereida Vilela:
É uma pontuação. Aquilo que não pôde passar sem a marca. Memória de uma ação específica (ver o local). Algo poderia ter fluido, o que não aconteceu. O impedimento manifesto na superfície, mas  pode ser mais profundo. É uma oportunidade para mostrar o conflito. Mapeamento. Historicidade do adoecimento.
Confirmo estas hipóteses em diversos casos.


*** 

DOR ABDOMINAL

Dor abdominal na idade de 6 a 8 anos é muito frequente e, na maioria das vezes é de cunho emocional. Crianças que não se submetem à autoridade com facilidade, que não aceitam muito o comando nem mesmo dos coleguinhas e que tem pais muito autoritários  e que , muitas vezes,não estão concordando com um comando ou entendimento dos pais, mas não tem outra saída a não ser aceitar, são os mais acometidos deste sintoma. Hoje tive com uma lindinha que se encaixa nesta turma. Esta garota ao nascer, apresentou uma icterícia( pele muito amarela) tão forte que necessitou de uma troca sanguínea. Pela leitura corporal isto já diz da natureza desta criatura- personalidade forte, levando às últimas consequências o não permitir que os pais misturem seus projetos de vida aos seus projetos pessoais. Quando este risco é grande, vale até uma "baita" icterícia logo ao nascer. O SER SE DEFENDE DE UNHAS E DENTES, USANDO TODAS AS CÉLULAS PARA PROTEGER SEU ESPÍRITO INDIVIDUALIZADO.


***


   ALERGIA E A RELAÇÃO EMOCIONAL

Atendi hoje uma criança de 7 anos, com espirros frequentes pela manhã, coceira no nariz. Quando foi para escola aos 2 anos e meio passou  uma fase tendo sinusites de repetição e tomando muitos antibióticos.( história comum na pediatria) .De manhã, acorda e dá uns 30 espirros.
Ela me disse assim: "A PRINCIPAL HORA QUE EU ESPIRRO É NA AULA, MENOS NA AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E NO RECREIO."
 Aí eu disse, sabendo da leitura corporal dos espirros , que é assumir que se está envolvido!!! :_ tem gente que acorda de manhã com muita preguiça de começar o dia e aí, espirra, espirra, espirra, até a preguiça sumir. E ele logo retrucou:_ esse aí parece muito comigo.
Esse menino não briga, é obediente e responsável, não gosta de experimentar nada novo.

RINITE para leitura corporal trata o comportamento da EVITAÇÃO. É sintoma resistente,  "rinitente" - difícil de mudar devido ao comportamento insistente neste aspecto da evitação, de não assumir, de não enfrentar. Mas, nada no corpo é imutável.

***

OTITES DE REPETIÇÃO

Recebi uma criança com 4 anos de idade e, até o momento, já havia tomado antibióticos por mais de 20x devido ao quadro de otites de repetição. Terminava uma série de antibióticos e 4 dias depois retornava o processo idêntico, sempre com febre muito alta, beirando a 40 graus. Já havia operado 4x. Retirou adenóide e amígdalas. Colocou carretel nos ouvidos para manter a drenagem de secreções, mas em pouquíssimo tempo, os carretéis saíam e os quadros agudos retornavam. Colocaram novamente os carretéis e o processo continuava. Todas as avaliações com especialistas eram normais, como o alergista e o imunologista. Apenas apresentava intolerância genética à lactose ( açúcar do leite de vaca ), mas mesmo com sua exclusão da dieta, os sintomas persistiam.

Neste caso eu me pergunto: _Por que nenhum dos profissionais que acompanharam a criança até então, não cogitara as estreitas relações emocionais associadas à repetição infindável do sintoma?? Com certeza, nenhuma abordagem neste aspecto havia sido feita até então, mesmo sabendo que tudo começara quando ele foi para o berçário, aos 6 meses e após o desmame e volta da mãe ao trabalho.  Neste momento, seu sistema imunológico, bombardeado de antiibióticos e sem órgãos importantes de defesa imunológica, como as amígdalas e as adenóides, está totalmente  suprimido. É por estas e outras histórias que pude perceber os limites de um tratamento sem escuta do sujeito. MAIS UMA VEZ EU ME PERGUNTO: onde está o sujeito???


NOSSO CORPO É UM CÃO DE GUARDA, E, INVARIAVELMENTE, QUANDO A QUALIDADE DE VIDA DE SEU DONO, NÃO ESTIVER À ALTURA DO QUE PODERIA OU  QUANDO O QUE ESTIVER VIVENDO ESTÁ MUITO AQUÉM DO QUE GOSTARIA, EMBORA ATÉ APARENTEMENTE ADAPTADO, O CORPO FAZ SINTOMAS, GRITA, RECLAMA, RESISTE À ADAPTAÇÃO FORÇADA.
NOSSO SISTEMA IMUNOLÓGICO É RESPONSÁVEL POR NOSSA ADAPTAÇÃO, MAIS AINDA DO QUE APENAS PURAMENTE POR NOSSA DEFESA. QUANDO ESTE ESFORÇO ESTIVER MUITO ALTO PARA TAL, DIMINUÍMOS CONSIDERAVELMENTE NOSSA FORÇA DE DEFESA, TORNANDO-NOS MUITO MAIS VULNERÁVEIS.

O tratamento alopático, embora necessário em muitas situações, é irresolutivo em outras. Os antibióticos e corticóides funcionam como imunossupressores. Agem pelo corpo, impedindo-o de fazer por si. É como se causasse uma preguiça imunológica, uma inércia, sem memória e sem aprendizado. Diferentemente, a lógica do tratamento homeopático, é estimular e provocar uma resposta do próprio corpo, favorecendo a auto-organização, com ganho imunológico e aprendizado no caminho da cura.


***

GOL CONTRA

Hoje recebi um menino que ainda não fez 7 anos e tem um perfil de comportamento
muito curioso. Mesmo que ele goste de algo que se ofereça a ele, no seu frequente  discurso, diz que não gosta. Mudou de colégio e, embora pareça adaptado e feliz lá, diz que não está gostando e que nunca vai gostar. Confessou-me que , na vida, os adultos não deveriam escolher tudo para as crianças e que não tinha que fazer tudo que eles queriam. Concordei com ele, dizendo que também entendia isso, mas que as vezes ele podia dar uma chance para ficar bom o que vivia. Se ele lutasse contra o gosto dele, estaria fazendo gol contra. ( É CLARO QUE ELE AMA O FUTEBOL). Disse isto, porque venho tratando, no seu caso, de uma conjuntivite alérgica que está demorando para ir embora – e pela leitura corporal, ela pode estar tratando uma raiva ou uma frustração sem caminho e com pouca assertividade. Agora, está com sintomas de cefaléia ( TRATANDO O NÃO QUERER SENTIR O QUE SENTE, UM AUTO-CONTROLE) e provável sinusite ( auto-boicote no envolvimento).

CABE UMA OUTRA PERGUNTA NO CASO: SERÁ QUE ESTA CRIANÇA TEM EM CASA ESPAÇO REAL DE ESCOLHA?? Será que suas escolhas são muito manipuladas pelos pais e por isso ele resiste tanto ao escolhido para ele??

***


DOENÇA CONGÊNITA E SUAS RELAÇÕES EMOCIONAIS

Atendi uma pequena que nasceu com um mega ureter. Foi descoberto com um ano de idade após ter tido uma infecção urinária. Hoje com 7 anos , posso ver claramente um comportamento visível ligado ao tema do ureter, tanto na criança como em  seus pais.
Essa garota é súper, MEGA exigente. Filha única, neta única, neta da dona da escola que inclusive foi sua professora, filha de mãe professora e de pai bastante exigente. Mudou-se de escola e a sua mãe entrou em fase de pânico, necessitando inclusive de medicação psiquiátrica. Na escola nova, estava ficando bem até que a professora começou a premiar as crianças com medalhas e, apesar de ser ótima aluna, não ganhava medalhas. Começou a ter tiques nervosos e não mais querer ir para escola.

Segundo a leitura corporal, o ureter fazendo parte do sistema urinário,  trabalha para que lidemos com nossos potenciais. O ureter, em si, adoece para curar ou evitar o EXCESSO de exigência na lida com os potenciais. Sabendo que ela nasceu com este mega ureter podemos inferir que este é um tema familiar e que ela veio já, de cara, tentando se proteger deste excesso. Ao longo das experiências vividas, este tema reaparece de diversas maneiras. Fica a dica, para nosso caminho de tratamento do caso.


Um comentário: